Independencia - Blog - Direito das gestantes nos planos de saúde

Quando uma mulher engravida, sabe que terá que passar por muitas consultas e exames para garantir a sua saúde e a do bebê que está gerando. Para facilitar esse processo e garantir um atendimento de qualidade sem pagar muito por isso, quem já tem um plano de saúde, busca adequá-lo à nova fase e quem ainda não tem considera a sua contratação.

O ideal é que a mulher contrate o plano de saúde antes de engravidar, para não enfrentar nenhum tipo de problema com coberturas e carências, mas nem sempre a gravidez é planejada, então recomenda-se que ela faça a contratação o mais rápido possível.

Caso a mulher já possua plano de saúde, deve ler o seu contrato e verificar todos os seus direitos. Nos planos de saúde contratados depois de 1999, a lei foi unificada, então eles já são mais parecidos.

As principais informações são que a mulher que deseja cobertura de qualquer tipo de parto e atendimento ao bebê assim que ele nascer, deve optar pelo plano de saúde com cobertura obstétrica. Se ela já tiver um contratado, deve solicitar o upgrade.

No plano de saúde com cobertura obstétrica, a carência para que o plano cubra os custos do parto é de 300 dias ou 180 dias se o parto for prematuro. Após o nascimento do bebê, o plano de saúde deve cobrir toda a assistência ao bebê pelo período de 30 dias, por isso, antes do término desse período os pais devem colocá-lo como dependente no plano, para que ele continue sendo atendido sem ter que cumprir carência.

É importante lembrar também que o plano de saúde só cobre atendimentos nos locais credenciados por ele, exceto em situações de urgência ou emergência.

A Independência Administradora de Benefícios administra planos de saúde coletivo por adesão, devidamente definidos pela ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar), com pessoas jurídicas representativas de profissionais, classistas ou setoriais. Se desejar, entre em contato conosco.



POR INDEPENDÊNCIA